Artigos recentes

Navigation

5 trabalhos desenvolvidos sobre meio ambiente

Alguns trabalhos realizados com e por alunos sobre o meio ambiente.
Nesta Coleção, revisei o conteúdo e reuni 5 postagens sobre meio ambiente que havia registrado anteriormente no blog. Isto se deve por duas razões: [1] O blog está sendo reestruturado procurando melhorar a qualidade de suas postagens; [2] Não quero perder registros realizados aqui no blog que fizeram e fazem parte da minha carreira. 

[1] 2013 - Redação Premiada no Projeto Agrinho: Patrimônio da Coletividade


A importância do compromisso com a Responsabilidade Social e o Meio Ambiente, passou a ser um imperativo obrigatório para todos aqueles que acreditam na necessidade de construir um mundo melhor, mais sustentável; capaz de proteger não só o ambiente em seu aspecto físico e natural, mas também colaborar com ações responsáveis junto aos cidadãos que cuidam deste ambiente.

Premiação Agrinho 2013São muitas as questões ambientais: falta de saneamento, mal aproveitamento do lixo, poluição das águas e do ar, entre outros. Os assuntos ambientais estão crescendo em importância para a comunidade social, o consumidor.

O direito natural fundamenta-se na natureza das coisas. E, para os que creem, eles se fundamentam nos planos do Criador para o Universo criado.

O Meio Ambiente é patrimônio público a ser assegurado e protegido, tendo em vista o uso coletivo. A sociedade é um gênero humano, e é um ocupante qualificado e privilegiado do planeta Terra, que lhe compete preservar, administrar e utilizar o Meio Ambiente. Por que não transformar os recursos naturais e ambientais em patrimônios humanos? Essas indagações nos levam a raciocinar sobre um ambiente ecologicamente equilibrado, de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida.

Devemos todos preservar o meio ambiente, isso não é nada mais, do que nossa obrigação, pois o meio ambiente é nosso lar.

O ambiente é tudo o que nos rodeia e que nos pertence, por isso temos responsabilidade social pro ele. Para isso devemos preservá-lo, não jogando lixo no chão, não poluindo o ar e as águas, não maltratando as árvores e nem os animais. Se cada um fizer sua parte, em coletividade, estaremos contribuindo para um mundo melhor, mais vivo e pensando nas futuras gerações.

A Responsabilidade Social é quando todos contribuem para uma sociedade mais justa e para um ambiente melhor e limpo. Tudo está interligado ao meio ambiente, então a sociedade é responsável por ele. Preserve-o, para que no futuro, as futuras gerações possam lhe agradecer. Pense nisso.

Aluna: Isadora Oliveira de Morais


[2] Córrego Leão - Uruana e Meio Ambiente


Em 2006, fizemos (professor e alunos) um trabalho de acompanhar toda a extensão de um dos córregos do nosso município (Uruana) e registramos isso em forma de um vídeo editado com imagens e texto. Este mesmo vídeo foi utilizado como parte de uma apresentação em 2008 para outro trabalho e foi premiado, sendo escolhido para representar a escola em um projeto. O vídeo está disponível no youtube, intitulado como Córrego Leão.

Texto usado no vídeo

Córrego Leão - Meio ambienteTalvez seja bom começar com flores... E conhecer a luta pela vida, onde insiste-se em destruir!
Talvez seja bom continuar com flores, e dizer que por menor que seja a vida, todo ser humano precisa muito dela! E não a respeita, não a ajuda viver...
Talvez seja bom terminar com flores, mas então, ninguém conhecerá o que vimos... e reconhecer que depende de cada um, preservar, dar nova vida e deixar uma semente!
Porque o que existe hoje, é fruto do ontem... e se houve Alguém que deixou isso para nós, devemos deixar também para o futuro.
A água faz parte do patrimônio do planeta. Cada continente, cada povo, cada nação, cada região, cada cidade, cada cidadão, é plenamente responsável aos olhos de todos.
A água é a seiva de nosso planeta. Ela é condição essencial de vida de todo vegetal, animal, do ser humano.
Sem ela não poderíamos conceber como são a atmosfera, o clima, a vegetação, a cultura ou a agricultura.
O equilíbrio e o futuro de nosso planeta dependem da preservação da água. Ela deve permanecer intacta e funcionando para garantir a continuidade da vida.
A água não é somente herança de nossos predecessores, é sobretudo, um empréstimo aos nossos sucessores. Sua proteção constitui uma necessidade vital, como a obrigação moral do homem para com as gerações presentes e futuras.
A água não é uma doação da natureza; ela tem um valor econômico, precisa-se saber que ela é algumas vezes, rara e dispendiosa e que pode escassear em qualquer região do mundo.
A água não deve ser desperdiçada, nem poluída, nem envenenada. De maneira geral, sua utilização deve ser feita com consciência e discernimento para que não se chegue a uma situação de esgotamento ou de deterioração da qualidade das reservas atualmente disponíveis.
O planejamento da gestão da água deve levar em conta a solidariedade e o consenso em razão de sua distribuição que é desigual sobre a Terra.
Mas está longe de ser aqui um lugar em que isso prevaleça! Se vê erosão, desmatamento de matas ciliares, poluição, esgoto a céu aberto, assoreamento, construções muito próximas ao leito do córrego, uso incorreto para a agricultura, barreiras de contenção de água, queimadas, desvio do curso d´água, drenagem dos charcos (brejo, pantanal). Tudo isso acarretará, se não tomadas providências, na morte do córrego e de todo sistema a ele envolvido.
Pense bem, tenha atitude, faça a diferença!

Versinhos de criança - Córrego Leão

Eclode o chão - Nasce o regato - Nasce Leão
Eclode do chão - Toma curso - Nasceu então?!
Nasce o Leão, - Brotou no chão - Água! água...
Nasce Leão! - Cadê então? - Água! água...
Corre o leito - Procura crescer - e cresce?
Buraco, erosão - Afoga Leão! - e cresceu...
Calor, calor - E sombra não? - Queima Leão!
Afoga Leão! - Joga montão, - e é lixo!...
Lixo, lixão - Não morre não! - Capricho...
Corre solto - Corre, vai - Livre Leão!
Corre esgoto - Corre, cai - Junto ao Leão
Entre estas - e outras - Vai-se Leão!
Vinga... - Dorme... - Suicida!?
O homem - Consome - Suicida...
Foi-se o rei! - De seu rugido! - Só gemido...
Finda, - Morre, - Mata!

[3] - 2 Paródias


Alguns alunos de um professor de geografia apresentaram paródias como parte de seus trabalhos sobre destruição do meio ambiente. Dois grupos de alunos permitiram a divulgação de suas paródias:

Pra que desmatar (Pra que entender - Marcelo Melo/Vivi Abreu/Theo José)

O que tem por trás daquela flor
Que me deixa fissurado no Ipê?
É um misto de beleza e vício
Já tentei, mas não consigo esquecer.

Toda vez que vejo um buriti,
Sinto cheiro de água.
Toda vez que o encontro,
Não consigo resistir...

Por mais que o cerrado seja seco, é muito rico.
E tem a capivara, o guariba e a jaguatirica.
Por mais que o cerrado seja seco, é muito rico.
E tem a capivara, o guariba e a jaguatirica.

É só olhaaaaaar,
e apreciar.
Pra que desmataaaaar....
o nosso Cerrado.
Alunas: Amanda, Emanuela e Gabriella - 7º ano.

Paródias - Meio ambiente O Desmatamento (Asa Branca - Luiz Gonzaga / Humberto Teixeira)

Quando 'oiêi' a terra do Cerrado
Fiquei assustado com a 'desmatação'
Eu perguntei a todo mundo, ai
Por que tem muita 'descuidação'.

Eu perguntei a todo mundo, ai
Por que tem muita 'descuidação'

Que goiano, que gostaria
De ver o Cerrado se acabando
Por isso peço que cuide mais
Da nossa flora, a nossa paixão

Por isso peço que cuide mais
Da nossa flora, a nossa paixão

Até mesmo os buritis
Morreram por falta d'água
Eu ti avisei não faça isso
Porque senão se acabarão...

Eu ti avisei não faça isso
Porque senão se acabarão...

Hoje mesmo fiquei triste
Vendo uma judiação
Os caçadores com suas armas
Matando os bichos, nossa nação.

Os caçadores com suas armas
Matando os bichos, nossa nação.

Quando o verde,... nossas matas
Se acabar com a vegetação
Não fique triste, nós te avisamos
Pra parar com a destruição
Não fique triste, nós te avisamos
Pra parar com a destruição.
Alunos: Bruno, Calebi e João Pedro - 7º ano.

[4] - Redação Premiada - Amazonas

O seguinte texto foi criação de três alunos da EJA (Ensino Médio) no ano de 2007, em que fui o professor orientador, realizando algumas correções. O texto foi premiado no I Concurso de Redação "Vida e missão neste chão", numa realização da Diocese de Goiás e a Pastoral da Educação, no município de Uruana. Os autores premiados foram Ana Maria, Cleide e Welquer. Houve ainda a colaboração do aluno Renato Faria Lobo.

Meio Ambiente

Amazonas

Uma nova era! O novo mundo! Todos dizem assim. Ainda há tempo de rever o mundo do ontem e do hoje e perceber que somos a fronteira do nunca, em busca do não sei; Somo poeira da nossa própria destruição. Num processo lento e doloroso, vendemos nossas almas ao fogo, às máquinas, aos gringos. Nos resta o egoísmo. Milhares de árvores derrubadas, milhares de sonhos perdidos, milhares de dólares erguidos, pra quê? Empobrecer povos? Contaminar rios? 'Evoluir medicina'? Já se foi o Chico, já se foi a Doroty, já se vai o último barco da esperança, tripulado por cegos cavalheiros, matando e bebendo aos corpos de pobres, negros, índios crianças.

Dizem: "Pulmão do mundo!" Talvez o último Armagedom. Mas não sabem como se tratar disso. E agora? Catequizarão a quem? Os russos, os americanos, os europeus querem o posto dos jesuítas. Ou será que estamos numa guerra, sem inimigos, ou puro inimigos, sem rostos ou rostos tapados; Covardes soldados sem causa, sem pátria.

O que restará deste pedaço de Brasil? Um novo Saara? De quantos destes 'brasis' precisamos para começarmos a compreender, que tempos praticado a própria destruição? Será que o Amazonas começa naquela mata, naquela aldeia, ou naquele rio. Existiriam fronteiras para o mal que praticamos? Nesse mesmo momento, estamos na sombra de uma castanheira, sentados em luxuosas poltronas, feitas de mogno ou cerejeira. O ar que nos trás vida, também nos tira. Enxergar à nossa volta deveria ser receita moral para garantir a sobrevivência da vida. Não é preciso estudo, são visíveis os causadores e as consequências, é constante o erro. Não é luta única, teremos que formar um grande exército, uma nova consciência. Teremos que reflorestar, criar metas mundiais [e as cumprir], aceitar ajuda [e ajudar], esquecer o orgulho, não cuspir no prato. Precisamos revolucionar a educação, falar uma só língua para todos os povos. Assumir o erro e unir a fatia que ainda resta, é tarefa de todos.

[5] - Vento a Gente Vê

O texto seguinte [criado por mim] é parte integrante de um trabalho apresentado para uma proposta a se tratar temas relacionados ao meio ambiente com temas como (vento/ar, terra, fogo, água). Foi utilizado como parte da ilustração de abertura em vídeo-fotos, que se encontra no youtube [Vento a gente vê!].

Vento, vento, cadê você?
Vento a gente sente, não vê?

Um "bum" lá distante
Soprou tão gigante...
Quantos gases em vento
Naquele momento
Criou tantos mundos!

Sopra forte pro navegante
Entre mares à Índia chegar.
Ou quem sabe como errante
Em Nova Terra atracar!

Sopra vela pro Novo Mundo
A caminho da Vera Cruz
De longe Pascoal, avistando...
E um bando de índios nus!

Um sonho do vento veio,
De poder, o homem, voar.
Como pássaro, um anseio
Em verdade se realizar...

Mas vento de guerra,
Vento que encerra:
É vento que carrega radiação,
Que abre enorme ferida,
Destrói ali toda vida...
Arrasa população!

Vento é fonte da vida,
É limpa energia!
Sem vento não tem pipa,
Não se tem alegria!

Vento faz tremulante,
Minha bandeira!
És fascinante,
Ó brasileira!

E com o vento a responsabilidade
De cuidar pra não perder...
Tamanha calamidade,
Tanta gente assim morrer!

E o vento a gente vê?
Quantos ventos você vê?

Charles Bastos

Comente este artigo:

0 comentários:

Os comentários neste blog são moderados pelo autor. Leia sobre a política de comentários.